Afinal, o que é o Metaverso?

[Meta]= |além|
[verso] = |do universo|

Um assunto para se refletir

Um termo que está em alta desde 2021, após a mudança do nome do Facebook para Meta e a promessa de um novo panorama entre tecnologia e redes sociais.

Porém, muitos ainda não conhecem seu real significado e impacto que trará para vida de todos, principalmente usuários, consumidores digitais e marcas.

Mas, afinal, o que é o Metaverso e o que ele trará de novidades e desafios para nós e o mercado?

Primeiramente, o termo e a tecnologia não são próprios do Facebook. É empregado desde a década de 90, quando surgiu pela primeira vez seu conceito na obra Snow Crash, do escritor norte-americano Neal Stephenson.

Hoje é encontrado e conhecido, principalmente, no mundo da gamificação, onde cada jogo possui seu próprio metaverso. Ponto esse que se repetirá em futuras plataformas de multiversos variados, como Mesh, da Microsoft, e Decentraland.

Logo, o metaverso é um mundo digital, em interação com o real, que usa da realidade virtual, aumentada e holográfica – a realidade mista (conteúdo digital interagindo com o mundo físico) – para  novas formas de conexão e interação humana no espaço da internet e redes sociais.

Essa imersão disruptiva acontece por meio de novos dispositivos (como os óculos vazados de AR|realidade aumentada), maior conectividade e tecnologias de ponta, que permitirão estarmos online o tempo todo.

O que isso significa?

Essa presença online constante possibilitará a criação de avatares com identidade, objetos e rotina para simular ou sincronizar atividades típicas da vida real, como trabalho, estudo, pagamentos, compras e entretenimento, na vida digital. Além de permitir uma interação ao vivo com um número ilimitado de usuários.

Logo, o progresso do metaverso implicará um novo mundo de oportunidades, relações e novidades no que tange as empresas tecnológicas e tradicionais, uma vez que o mercado está na acelerada onda da transformação digital e o consumidor mudou seu hábitos de consumo e comportamento virtual drasticamente, levando as marcas a estarem onde seus clientes estão e a acompanhar estas futuras tendências.

O que é muito novo, inovador e desconhecido por vários, tende a ditar algumas tendências, certo? O que não é diferente com o Metaverso, que promete ser promissor no seu movimento com novas soluções para o mercado. Conheça algumas a seguir:

1 – Quebra de barreiras de idiomas: dificuldades linguísticas e comunicativas poderão ser superadas por meio da tradução e transcrição instantânea;

2 – Ascensão do consumer tech: será cada vez mais comum o consumo e compra de produtos tecnológicos na realidade alternativa, como de roupas, livros, obras de arte, canais de streaming e outros. Tudo de espécie virtual e com a possibilidade de aquisição e compartilhamento coletivo de bens entre os avatares.

3 – Pagamento online com moedas virtuais: para pagar as contas, os produtos ou serviços do metaverso, será possível utilizar as moedas virtuais, como criptomoedas, no lugar de cadastro de cartões de crédito ou débito. Um boom de avanço para os sites e-commerces.

4 – Avatares: simulação mais avançada de bonecos digitais em 3D com mais elementos de conectividade e interatividade entre os consumidores digitais. Mais fiéis à aparência de seus donos reais, será possível, com metaverso, estar presente em dois lugares ao mesmo tempo, levando, por exemplo, o trabalho remoto a um próximo nível de consolidação nas empresas, pois a distância geográfica não existirá mais.

5 – Social Media: será cada vez mais comum, as empresas criarem uma experiência virtual com os usuários avatares para a ativação de sua marca dentro de um contextos dos metaversos, usando a gestão das redes sociais para reter atenção, gerar engajamento e relacionamento com os clientes sem um contato próximo.

No entanto, com grandes novidades, vem grandes desafios também, já que esse novo mundo virtual está sendo desenvolvido à medida que também está sendo criada a tecnologia necessária para todo o seu suporte, como o caso da cibersegurança e proteção dos dados com blockchains e afins.

Para os negócios, o metaverso apresentará alguns desafios que necessitam de estudo, planejamento e readequação de estratégias para a realidade virtual, tais como:

1 – Aliar espaço físico com o display e ponto de venda digital para uma linguagem e comunicação única entre os consumidores, o famoso “omnichannel”. Não, o espaço físico não deixará de existir.

2 – Os e-commerces adaptarem sua plataforma de venda nos novos ambientes virtuais, para que os avatares|usuários tenham uma jornada e experiência de compra significativa, dinâmica e conveniente com seu contexto do momento. A tarefa é descobrir como estimular o consumo e como ser encontrado pelas pessoas dentro do metaverso.

3 – “A melhor embalagem de um produto é uma história”. Uma premissa que será um desafio para marcas contextualizarem e inserirem numa realidade digital, similar a real, a sua história de vida e personalidade de forma criativa e humanizada, para um bom posicionamento e relacionamento com o público.

4 – Interoperabilidade e viabilidade entre diferentes metaversos já vem sendo discutidos pelas empresas de tecnologia para entender como os avatares podem transitar de ”um lado para outro”, independente de ser uma plataforma da concorrente. Ou seja, as relações de mercado precisarão ser mudadas para um trabalho em conjunto de operação.


Pontos para reflexão

Com uma base de economia de abundância, o metaverso não será apenas um lugar virtual, mas também um mundo cheio de oportunidades!

O metaverso já está entre nós em funcionamento gradual, pois a tecnologia essencial está em desenvolvimento, promovendo uma mudança de processo, melhoria de convivência social e digital, além de como podemos ir além do universo da internet em que estamos hoje. Uma revolução projetada tão grande ou maior que a chegada da internet.

Esta virada de chave para a conexão e comunicação humanas, além da economia e mercado mundiais, já deixa importantes reflexões, principalmente, para os empreendedores:

Como melhorar a experiência do meu consumidor com algum elemento digital?

Como levar a experiência digital da marca para dentro da casa do cliente e da futura realidade virtual?

Como unir espaço físico e display digital?

A tecnologia é uma matéria prima para seu marketing digital?


Prontos para o futuro?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.